Uma questão de talento

Você já se pegou se perguntando se você tem mesmo talento para a escrita? Se é isso que você deve fazer? Se vale a pena investir tanto tempo na sua formação como escritor, seja para construir uma carreira ou como hobby?


É comum ter dúvidas sobre a sua escrita, principalmente se você não faz nenhuma oficina ou participa de um grupo de escritores que possa te dar opiniões verdadeiras e qualificadas sobre o seu texto. Mas será que escrever bem é uma questão de talento?


Lembre-se: uma vez que decidimos ser ficcionistas, assumimos o compromisso de fazer o nosso melhor. E isso não tem nada a ver com talento. Assis Brasil, Escrever ficção.

Muita gente usa talento como desculpa. Uns para não fazerem, pois não nasceram “com talento”; outros para não se aperfeiçoarem, pois acreditam ter talento. Como o professor Assis Brasil muito bem nos diz no seu livro Escrever ficção, quando você decide ser escritor, assume o compromisso de fazer o seu melhor. Criar bons personagens, tramas intrigantes e entregar um texto de qualidade para o seu leitor. Isso requer que você conheça as ferramentas e técnicas de escrita criativa e tem pouco a ver com talento, um conceito abstrato, e muito a ver com estudo e prática.


A PROPÓSITO: E O TALENTO? No campo literário, nunca vi palavra tão vazia. É possível que você já tenha gastado muito tempo pensando nela. Julgo, inclusive, que ela foi criada para atormentar as pessoas, pois gera inumeráveis pseudoproblemas: “Não tenho talento”, ou “Cláudia tem mais talento do que eu”, ou “Cláudia diz que tenho talento, mas não consegue enxergar onde ele possa estar”. É tão cínico quanto falso dizer essas coisas. Assis Brasil, Escrever ficção.

Malcolm Gladwell em seu livro Fora de série nos diz que para ser bom em qualquer coisa, você precisa de 10 mil horas de prática. Há controvérsias, claro. Pode ser que você atinja uma boa escrita em menos tempo, se você, por exemplo, já for um leitor ávido. Ou pode ser que você passe 20 mil horas praticando uma atividade sem saber as técnicas e, por isso, nunca melhore de fato. Bons professores e boas referências, num estudo de qualidade, vai te fazer chegar mais rápido onde você quer, seja na escrita ou em qualquer outra área. O que não podemos negar é que prática e aprendizado vão te levar muito mais longe do que “talento”.


Então, se você quer se dedicar a escrita, temos duas sugestões, você pode baixar o ebook gratuito de exercícios de escrita criativa da Quadro Amarelo, que vão te ajudar a praticar os quatro movimentos da história: narração, descrição, diálogo e digressão. E se você quiser ir ainda mais longe, pode se inscrever no curso da Quadro Amarelo para aprender com professores escritores com diversos livros publicados e muitos alunos satisfeitos. São mais de 40 aulas que vão desde os elementos básicos da escrita criativa até técnicas avançadas. E você ainda vai ter acesso ao grupo exclusivo de alunos, onde vai poder mandar os seus textos para serem lidos.

Vem ser aluno Quadro Amarelo!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Espaço e descrição

Pensamos nos personagens, nas suas questões essenciais, no conflito, no narrador, mas e o espaço onde as ações se desenvolvem? O espaço assim como os outros elementos citados é parte da narrativa e de

Tempo para escrever

Essa é uma constante na vida de quem não se sustenta com escrita, a maior parte de nós mortais. Entre tantas tarefas do dia a dia e trabalho, não sobra tempo para escrever. E o problema está aí mesmo:

Conflito interno x Conflito externo

Se você leu o texto anterior sobre conflito, sabe que, segundo o professor Assis Brasil, histórias duradouras tem conflitos universais e abstratos. Ainda assim, existe uma divisão didática na qual faz