• Mariane Lima

Criação de personagens

Atualizado: Set 18

Como você já deve ter visto nos outros posts sobre criação de personagens, o personagem deve ser o mais parecido possível com um ser humano para que o leitor se apegue a ele. Para construir um personagem convincente o escritor precisa pensar em: dar uma personalidade, uma questão essencial e evidenciar o que torna seu personagem único.


Garantir que seu personagem tenha uma personalidade, é importante para que ele não se pareça com um manequim, um avatar do the sims que a gente carrega de uma situação a outra; sem vontade própria, ou agência. Isso vai fazer seu leitor largar o livro rapidinho.


A questão essencial, é o que vai guiar o personagem, seu norte; uma questão que nos ajudar a definir suas ações e reações pelos caminhos e conflitos da narrativa. A questão essencial é intrínseca e intransitiva. Seu personagem vai poder aparar, melhorar, talvez, mas ele não vai mudar em essência. A questão essencial não precisa estar explicita no texto, pelo contrário, quando a deixamos nas entrelinhas, o leitor tende a se envolver mais, pois vai descobrindo e co-criando o texto na sua cabeça.


Isso nos leva a outro ponto: o que mostrar sobre o seu personagem? É bem provável que você, escritor, saiba muito sobre seus personagens, talvez tenha até feito aquelas longas fichas com todo o passado e todos os eventos relevantes da vida do personagem. Esse tipo de exercício é muito válido, mas tenha em mente que nem tudo é relevante para o leitor. Devemos contar apenas aquilo que influencia direta ou indiretamente na narrativa. É muito comum, os escritores se passarem especialmente na descrição dos personagens. É mesmo necessário que o leitor saiba, por exemplo, cada detalhe do rosto do seu protagonista? Se for, conte logo de saída (antes que ele crie uma imagem mental própria que pode ser muito diferente da sua), se não for, não escreva.


Foque nas características que tornam o seu personagem único e que dão pistas sobre ele e o que pode acontecer no desenrolar da história. E tenha em mente que ninguém é perfeito e seus personagens também não devem ser, ou não haveria história para contar sobre eles. O conflito, ou seja o motivo de a narrativa existir, muitas vezes vem das imperfeições dos personagens, a história acontece quando a questão essencial do personagem se choca com os fatos da vida.

Esse texto foi escrito com base no livro “Escrever ficção” e nas aulas do professor Assis Brasil no curso da Quadro Amarelo. Para saber mais sobre o curso e se inscrever,clique aqui!

Posts recentes

Ver tudo

Mostrar versus contar

É comum lermos textos que aconselham que nós como escritores devemos “mostrar, não contar”. Mostrar o que nossos personagens sentem, sua personalidade, o que eles pensam ao invés de contar escrevendo

Escrita para pessoas criativas

Sobre

Contato

contato@quadroamarelo.com.br

Rua Dona Laura 715, 301

RioBranco, Porto Alegre-RS  90430-091

Termos