• Mariane Lima

A importância do planejamento

Existe esse mito do escritor que senta no seu escritório silencioso com seu papel e sua caneta (ou na frente do seu laptop) e simplesmente começa a escrever. Palavras saindo de seus dedos sem controle, como se ele fosse, de fato, visitado por uma entidade mágica que fizesse as palavras jorrarem para o papel (ou a tela).


O escritor vivendo o seu propósito.

Tudo muito bonito.


Cenas como essa podem até funcionar em filmes sobre Shakespeare, mas, se você já sentou para escrever uma história sem saber ao certo onde ela ia dar, provavelmente teve uma experiência muito diferente desta.


Tela em branco, o traço do cursor que parece estar fazendo piada com a sua cara.

Nenhuma palavra parece boa o suficiente. Frustração.


A boa notícia é que isso é absolutamente comum. Se você senta na frente do seu computador com apenas uma ideia, é provável que passe mais tempo olhando para as páginas vazias do seu editor de texto do que escrevendo. A outra boa notícia é que você pode mudar isso. Com planejamento.


É muito mais fácil e muito mais produtivo sentar para escrever quando você sabe aquilo tem que escrever. O caminho dos personagens já está traçado e basta você se entregar à linguagem.


Você sabe o quais cenas precisa escrever e o que pode ser sumariado.

Você já conhece bem os seus personagens e sabe como eles vão se comportar em determinada situação.

Você tem o controle da narrativa e pode se entregar ao ato da escrita, sem repensar a cada parágrafo.


Muitos escritores alegam que planejar tiraria a graça da escrita, eu vou discordar deles. Ter um objetivo claro permite nos colocarmos na cabeça do leitor, pensar no que e quando mostrar para provocar esta ou aquela sensação. Para mim, a graça da escrita, mais do que descobrir os meus personagens, está em manipular a atenção do leitor, esse ser imaginário.


Claro que não há certo ou errado nos processos de cada escritor, mas se você já se viu paralisado no meio do seu livro, dê uma chance ao planejamento, você pode se surpreender.


No curso da Quadro Amarelo, o professor Jéferson Assumção fala sobre a forma que planejou seus últimos 3 livros, desde a idéia, até sua última revisão. Quer ser aluno da Quadro Amarelo? Clique aqui para saber tudo sobre o curso.

Posts recentes

Ver tudo

Mostrar versus contar

É comum lermos textos que aconselham que nós como escritores devemos “mostrar, não contar”. Mostrar o que nossos personagens sentem, sua personalidade, o que eles pensam ao invés de contar escrevendo

Quem conta a sua história?

Uma das decisões mais importantes que temos que tomar enquanto escritores ao narrar uma história é quem vai contá-la. Na ficção, bem sabemos, nunca somos nós, os escritores, que narramos, mas nosso eu

Escrita para pessoas criativas

Sobre

Contato

contato@quadroamarelo.com.br

Rua Dona Laura 715, 301

RioBranco, Porto Alegre-RS  90430-091

Termos